A empresa Flyways Linhas Aéreas escolheu o Estado para inaugurar a sua atuação no mercado brasileiro e vai operar, inicialmente, a partir do aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, com destino ao interior mineiro. Essas informações foram tema de audiência pública da Comissão de Minas e Energia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), nessa quarta-feira (2/12/15). A expectativa é de que Minas Gerais terá rotas para as regiões do Triângulo Mineiro, Alto Paranaíba, Zona da Mata, Vale do Rio Doce, Vale do Aço e Sul de Minas, a partir de janeiro de 2016.

A audiência na Assembleia foi proposta pelos deputados Bôsco (PT do B) e pelo presidente da Comissão, Gil Pereira (PP). Atualmente, a Flyways -- que recebeu autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) no final de 2014 -- possui duas aeronaves modelo ATR 72-500, que comportam até 70 passageiros e, segundo o diretor-presidente da companhia, Pedro Paulo Valverde, a expectativa é de que chegue ao final de 2016 com um total 10 aviões, completando, após três anos, uma frota de 30 aeronaves.

Para o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Altamir Rôso, várias reuniões foram feitas e foi assinado protocolo de intenções com a Flyways. O Estado vem se movimentando para a busca de novos voos e os benefícios são muitos, pois as novas rotas trazem ganhos socioeconômicos para Minas Gerais. “Além das cidades citadas, já conversamos com a empresa que também deve levar voos a Varginha (Sul de Minas) e Diamantina (Região Central do Estado), preferencialmente nesta fase inicial. O projeto da companhia será valioso no desenvolvimento regional, ajudará a expandir o transporte de carga, a aperfeiçoar a logística e os aeroportos, gerando empregos”, avaliou o secretário.

Altamir Rôso também destacou o fato de os voos regionais da Flyways partirem da Pampulha, lembrando a qualidade e infraestrutura do local. Ele ainda ressaltou a proximidade desse aeroporto com o centro de Belo Horizonte como um importante facilitador para usuários de voos curtos. Segundo o secretário, o modelo das aeronaves que a companhia opera permite que pousem e decolem nessa área da capital mineira por serem aparelhos novos, portanto, menos poluentes.

O secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), Marco Antônio Migliori, destacou a existência de mercado para absorver as futuras ofertas da nova companhia. “Faltava no Estado uma empresa aérea que tivesse esse viés de investimento na aviação regional regular. E esta é uma aposta certeira desta companhia, porque a demanda existe”, ressaltou.

“Iniciaremos com voos de Belo Horizonte a Ipatinga (Vale do Aço), Uberaba (Triângulo Mineiro), Patos de Minas e Araxá (ambas no Alto Paranaíba) e, posteriormente, chegaremos a outras cidades do interior do Estado, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo”, afirmou Pedro Paulo Valverde, presidente da Flyways.

O dirigente da companhia informou que os voos experimentais começaram por Uberaba, e, ainda em dezembro, a companhia poderá comercializar os primeiros bilhetes. Pedro Paulo Valverde também abordou o preparo dos profissionais da empresa, a questão da segurança e a intenção de ofertar uma tabela de custos razoável e sem grandes oscilações entre os menores e maiores preços ofertados numa mesma rota.

“Temos uma equipe muito experiente, estamos associados a uma grande companhia aérea sul-africana que nos oferece todo o seu know-how. Já temos uma completa estrutura montada no aeroporto da Pampulha. Nossas aeronaves são econômicas e nos permitirão praticar preços acesíveis e em valores regulares, que não sofram grandes alterações”, concluiu.
Parlamentares ressaltam iniciativa e pedem novas rotas à Flyways.

A coragem da empreitada da Flyways, de "iniciar operações em momento de crise", foi destacada pelos deputados Antônio Carlos Arantes (PSDB), Dalmo Ribeiro Silva (PSDB) e Carlos Pimenta (PDT). Houve ainda manifestações lembrando rotas regionais iniciadas em outras ocasiões, mas que não tiveram continuidade, com considerações sobre os riscos disto se repetir. A despeito do temor, os três deputados saudaram a iniciativa e solicitaram a extensão dos voos da Flyways para as cidades de Poços de Caldas, Pouso Alegre e São Sebastião do Paraíso (as três no Sul do Estado). Carlos Pimenta ainda acrescentou Montes Claros (Norte de Minas) e Nanuque (Vale do Jequitinhonha).

Por Ascom SEDE, com informações da Assessoria de Imprensa da ALMG.