Crédito: Divulgação Fórum

Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Espírito Santo oficializaram a criação do Fórum Náutico do Sudeste, iniciativa estimula o desenvolvimento da indústria náutica no país. Inaugurado no Rio de Janeiro no último dia 12, a ideia central do Fórum é trabalhar toda a cadeia produtiva do setor, desde a produção de barcos e lanchas até o incentivo para movimentação turísticas nos quatro estados.

O Fórum irá elaborar propostas para o fortalecimento socioeconômico do setor náutico nos estados e na região como um todo, com destaque para o segmento turístico, que será representado pela Secretaria de Turismo do Espírito Santo. Serão colocadas em pauta assuntos como a construção de legislação municipal favorável às cidades que exerçam a atividade, com incentivos fiscais para atração de novos empreendimentos. Em Minas Gerais a proposta tem como ponto de partida a região de Furnas. “Minas Gerais pode investir mais nessa atividade que gera renda para as economias locais e ainda fomenta o desenvolvimento tecnológico”, acredita o secretário de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais, Altamir Rôso.

A proposta é que a atuação coordenada dos governos, em todas as suas esferas, elimine gargalos, buscando a organização de uma política de incentivo do setor, a racionalização da carga tributária e a formação de marcos regulatórios. O objetivo é que os empresários e investidores tenham segurança institucional e econômica necessárias para a alocação de recursos no setor náutico, com geração de empregos e renda sustentáveis.

A oficialização do Fórum integrou a 19ª edição do Rio Boat Show, um dos maiores eventos nacionais do setor náutico voltado para empresários. A iniciativa conta ainda com apoio e coordenação da Associação Brasileira dos Construtores de Barcos e Seus Implementos (Acobar). Além do secretário de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais, o evento contou com a presença dos representantes de cada estado, Marco Capute, secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços do Estado do Rio de Janeiro; José Sales Filho, secretário de Turismo do Estado do Espírito Santo e Marco Antonio Castello Branco, coordenador do Fórum Náutico Paulista, que representará o secretário Márcio França, da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo.

Números do setor

Dados mostram mercado promissor para o setor náutico. Levantamento feito pela Acobar, Pesquisa Indústria Náutica Brasileira – Fatos & Números, no ano de 2012, mostra que no país foram contabilizadas 29.996 embarcações a motor e 5.145 embarcações a vela maiores de 16 pés. O estudo revelou também que as embarcações a motor representam quase 84% do total da frota, enquanto que a participação dos barcos a vela chega a 16,3%. Essas estruturas de apoio náutico no Brasil empregam aproximadamente 7 mil postos de trabalhado diretos e cerca de 5 mil temporários.

As marinas, pequenos centros portuários usado por iates privados e botes são, ainda, a base de trabalho de cerca de 9 mil marinheiros particulares e seus auxiliares (contando com funcionários contratados e pagos pelos proprietários de embarcações de médio e grande porte). A proposta do Fórum é atualizar e monitorar os dados do setor. Durante o evento serão apresentadas informações atuais, com o objetivo de fomentar pesquisas em tecnologia e a geração de empregos e desenvolvimento da indústria náutica.